Ministério do Turismo, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, Lei Estadual de Incentivo à Cultura, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Riotur e Cidade das Artes apresentam:

O que você não sabia sobre ciência e tecnologia

Em setembro de 2021, Rio2C lançou o projeto Você Não Sabia, em parceria com Antônio Miranda, com o objetivo de falar sobre Ciência e Tecnologia de uma forma mais leve, explicando assuntos atuais e complexos para todos.

Conheça mais sobre a série Você Não Sabia.

O criador de conteúdo, Antônio Miranda, apresentou 10 episódios, abordando de forma leve e didática assuntos que já fazem parte do cotidiano das pessoas, mas ainda não são acessíveis para todos. E para explicar melhor sobre o projeto, nada melhor do que o próprio Antônio.

Antônio Miranda no set de gravação do projeto Você Não Sabia

Entrevista com Antônio Miranda – Ciência e Tecnologia ao seu alcance

1.Como foi para você participar do projeto Você Não Sabia? Quais foram os desafios e o que ficou de aprendizado?

Foi Incrível!! Eu sou apaixonado por ciência e tecnologia e meu sonho é conseguir comunicar estes temas de maneira leve e criativa. Na era da desinformação esse tipo de conteúdo é essencial. O maior desafio foi conseguir comunicar temas complexos de forma atrativa e não rasa em mais ou menos 5 minutos.

Nós da pitomba.cc mergulhamos fundo no projeto e em apenas 10 semanas produzimos 10 episódios da série. Logo tivemos uma curva de aprendizado gigantesca e evoluímos muito em quase todas as áreas necessárias para se produzir audiovisual.

2. Uma das grandes preocupações com a escalada da Inteligência Artificial na sociedade é a ideia de que os robôs vão dominar o mundo, acabando com profissões e até mesmo tomando o lugar do ser humano nas relações pessoais. No primeiro episódio da série você fala sobre os avanços da robótica. Você acredita que a humanidade corre esse risco?

Toda revolução industrial que já aconteceu foi também acompanhada por essa insegurança. Essa não vai ser diferente. Assim como as tecnologias surgem, novas funções também aparecem. Hoje em dia, a profissão de telefonista não é mais necessária. Porém, no lugar dessa antiga função, milhões de pessoas trabalham em telecomunicação.

Os robôs vão permitir que milhões de humanos deixem de trabalhar em condições perigosas ou trabalhos mecânicos e usem sua cabeça para coisas mais humanas. Por outro lado, eu fico mais preocupado com a acessibilidade de toda essa revolução tecnológica. Não adianta ter robô dirigindo meu carro se tem gente morrendo de fome.

3. E já que estamos falando de avanços na ciência e tecnologia, o terceiro episódio da série falou sobre a corrida pelo turismo espacial. Quais seriam os benefícios que estas viagens espaciais, realizadas por grandes empresários, poderia trazer pra a sociedade como um todo?

A corrida pelo turismo espacial me deixa muita animado. Se tudo der certo poderíamos fazer um paralelo com o que aconteceu com a aviação. Há cem anos atrás era uma indústria pouco eficiente e muito exclusiva. Hoje, em média, existem 10 mil aviões no ar todo momento. Acredito que o mesmo pode acontecer com o turismo espacial só que de forma muito mais rápida.

À primeira vista, é natural imaginar que com o aumento exponencial do lançamento dessas naves, pelas toneladas de combustíveis queimadas, vão gerar um grande problema ambiental. Porém, existem diversos motores de foguete que usam hidrogênio como combustível. Hidrogênio quando pega fogo vira água. Aquela fumaça toda no lançamento é vapor d’água. Isso significa que alguns foguetes poluem muito menos que um simples carro.

Eu estou muito animado para viver em mundo onde Tóquio está a menos de uma hora de distância do Rio de Janeiro. Isso significa que em crises humanitárias as distâncias quase não vão fazer diferença. Países de lados opostos do globo vão poder cooperar.

Criador de conteúdo Antônio Miranda.

4. Outro tema abordado na série foi sobre o 5G, que até já teve o leilão aqui no Brasil, em 2021. Você acredita na possibilidade do 5G ser uma realidade no Brasil? Quais benefícios poderia trazer para os brasileiros?

Sem dúvidas a 5G pode ser uma realidade no Brasil, mas eu acho que vamos atrasar um pouco. É necessário um investimento enorme em telecomunicações e infraestrutura por parte da máquina pública.

O 5G com certeza estará presente nos grandes centros em áreas nobres, mas isso não é o suficiente. Para aproveitar o total potencial dessa tecnologia, muito terá que ser feito e muito dinheiro vai precisar estar envolvido.

O 5G é o primeiro grande passo para implementar a IoT (internet das coisas), o metaverso e a banda de dados necessária para internet não ser tão lenta, tão arcaica como um pombo correio.

5. Um tema que surgiu com a mudança do nome da empresa Facebook para Meta foi o metaverso. No episódio 6 você explicou do que se trata o metaverso e o que já vem sendo criado com este intuito. Poderia citar alguns exemplos e nos dar sua opinião de como esse mundo virtual poderá afetar a vida como conhecemos hoje?

O metaverso é quase uma consequência do nosso avanço tecnológico. O próximo passo da comunicação humana é sair da tela 2D e ir para o ambiente 3D.

Essa tendência fica óbvia quando observamos as grandes empresas que estão investindo para virar meta. Além do Facebook, players como Nike, Itaú e Nvidia estão investindo pesado para se adiantar nesse processo.

Eu acredito que o maior marco do mundo meta vai ser visto na Educação. Salas de aula no metaverso serão muito mais inclusivas, interativas e eficientes. Claro que esse futuro só é possível com a inclusão digital.

Confira todos os vídeos de Você Não Sabia.

6.E já que falamos de tantos avanços tecnológicos é importante lembrar que os ataques virtuais também evoluem e é cada vez mais perigoso estar conectado. Poderia citar alguns exemplos de ataques cibernéticos e como fazer para nos prevenir?

Cada vez mais entregamos nossos dados para empresas e expomos nossas vidas em redes sociais. Isso torna a gente cada vez mais vulnerável. Por isso, entender um pouco sobre sua segurança na web é essencial para acompanhar essa evolução toda que está acontecendo.

Exemplo de ataques é o que não falta. Enquanto escrevo essa resposta acaba de sair a notícia que a Cruz Vermelha foi hackeada, expondo dados de um milhão e meio de pessoas em situação de vulnerabilidade.

Só no Brasil, na primeira metade do ano passado, foram mais de 16 bilhões de tentativas de ataque. O bom disso tudo é que se prevenir não é tão difícil. Utilizar senhas seguras, verificações de duas etapas e procurar entender melhor sobre o assunto é na maioria dos casos o suficiente para se proteger.

Criador de conteúdo Antônio Miranda.

7. Falamos sobre como todos os avanços da tecnologia nos deixam cada vez mais conectados e também dos perigos que isso pode gerar. Mas e em relação à economia? Podemos entender que criptomoedas e NFTs já estão movimentando muito dinheiro? E para quem ainda não entende muito bem deste universo, quais as dicas para começar a investir?

O mundo cripto movimenta muito dinheiro. A ideia central da criação das criptomoedas é muito interessante e acredito muito no poder de uma economia descentralizada. As NFTs conseguiram criar um novo universo de artes e tokens digitais.

Mas como todo investimento é necessária muita cautela. Se quiser entrar nesse mundo é preciso estudar muito. Um bom começo é o episódio que fizemos para a série Você Não Sabia, mas material online é o que não falta.

Confira todos os vídeos de Você Não Sabia.

8. Para finalizar, poderia falar sobre nanotecnologia, que é a matéria que atualmente você está se especializando? O que podemos esperar no futuro? Em quais áreas a nanotecnologia pode ser mais benéfica para a sociedade?

A Nanotecnologia impacta diretamente quase todas as áreas. É um estudo muito amplo e apesar de parecer futurista está muito mais presente do que a gente imagina.

Dos cosméticos como o protetor solar ao microchip do seu celular. Eu poderia falar horas sobre esse tema e as possíveis revoluções em cada área, mas vou focar nos processadores.

O cérebro do computador é o processador. Os neurônios dos processadores são os transistores. O tamanho do transistor implica diretamente na potência de computação de um processador. Quanto menor, melhor. É aí que a nano entra.

Hoje em dia é possível fazer transistores com 2 nanômetros de diâmetro. Para você ter uma ideia como isso é pequeno, a grossura de um fio de cabelo é de cem mil nanômetros. Processadores mais rápidos são necessários para todas as revoluções das perguntas acima. Computadores mais eficientes mudam o mundo e o seu dia a dia.

Quer aprender mais sobre todos os temas abordados na entrevista? Então, confira todos os episódios do projeto.