Curador de Inovação do Rio2C: Bernardo Zamijovsky

O curador do pilar de Inovação do Rio2C 2019 é Bernardo Zamijovsky. Diretor Administrativo do VR Investimentos Venture Capital Fund, ele possui uma trajetória intimamente ligada ao mundo da Inovação e Venture Capital, com uma ampla atuação como Investidor, Empreendedor e Executivo. 

“O que eu tenho de diferente é a experiência nessas três áreas. Comecei minha carreira como executivo, depois eu me tornei um empreendedor serial com empreendimentos no Brasil, nos Estados Unidos e no Japão, e por último eu me tornei investidor. Tenho o olhar para todas as posições. E isso me diferencia e me faz respeitar muito o empreendedor. Muito da minha forma de atuar veio daí”, conta. 

Bernardo é bacharel em Mercadologia pela ESPM. Na década de 1990, foi responsável pela reengenharia do Grupo VR. “Na época não existia o cargo de inovação. E o que basicamente a reengenharia fazia eram propostas de disrupção para a empresa. Ou seja, meu cargo seria hoje o de quem faz inovação. E foi quando eu comecei a pesquisar novas tecnologias para o negócio da VR, que iniciei meu networking internacional”.

Em 1999, Bernardo se mudou para Nova York para participar de uma Startup chamada IPING, um robot de notificações telefônicas. No ano seguinte, lançou no Brasil um Fantasy Game de futebol chamado FFC (Fanáticos Futebol Clube), sucesso na época, com cerca de 500.000 usuários. Tornou-se empreendedor serial, construindo e vendendo diversas empresas até ser convidado em 2011 pelo Grupo VR para dirigir um Fundo de Venture Capital.

Hoje, administra o Fundo de VC OffShore, VR Investments, com dezenas de investimentos no exterior. “Isso me deu acesso e relacionamento com investidores de fundos ao redor do mundo como Europa, Estados Unidos, Israel e Japão. Eles criaram processos para fazer os empreendedores crescerem mais rápido. Seja ajudar no RH, seja aconselhar ou para promover alianças comerciais”.

Para sua curadoria no Rio2C, Bernardo procurou destacar algumas das áreas que estão sofrendo maiores disfunções e que consequentemente trazem as maiores oportunidades. Ele procurou companhias que mostrassem o que está mudando na operação dos negócios, a automação das empresas, os processos financeiros, a digitalização do dinheiro, a mobilidade, nas compras, e nos itens mais básicos como saúde e alimentação. 

“Eu peguei as áreas que vão ter mais impacto pela disrupção nos próximos anos e fazer um cenário mais amplo. E aí uma segunda preocupação foi tentar mostrar isso da maneira mais global possível, com cases de nacionais e internacionais. Meu objetivo é dar aquele ´clique´ nas pessoas sobre o que está acontecendo no mundo e como isso vai afetar o futuro delas, seja como consumidores ou como profissionais. Buscamos trazer para o Rio2C muito conteúdo e  bem diversificado para gerar valor para cada centavo que cada pessoa pagou para participar”, completa. 

patrocinador

fique conectado