Ministério do Turismo, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Lei Estadual de Incentivo à Cultura, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura apresentam:
PT | EN
Coronavírus. Saiba como proteger você e sua família. Acesse saude.gov.br/coronavirus

Como entender as novas gerações?

Você sabe quem são os Baby Boomers, Millenials e Geração Z? O episódio “Me Conquiste se for capaz”, da série Pretérito do Futuro, falou sobre comportamento e sobre as novas gerações que têm o poder de ditar tendências. O seu conteúdo está preparado para as novas gerações?

Conheça mais sobre a série Pretérito do Futuro.

As novas gerações

Segundo o empresário e investidor, Guga Stocco, devido à pluralidade de informações, as gerações são criadas a cada 7 anos, ou seja, os padrões demográficos de comportamento por faixa-etária, tão conhecidos por quem trabalha na área de marketing e publicidade, estão em constante mutação. Novas gerações surgem com grande rapidez e é preciso se atualizar para criar conteúdo relevante com este público jovem.

A cada sete anos entra uma geração completamente diferente da outra. Então, quando vamos fazer uma campanha, por exemplo, antigamente nós separávamos homens de 20 a 35 anos, mulheres de 18 a 27 anos, um determinado tipo de renda, com um determinado tipo de gosto e fazia a campanha. Mas e hoje, funciona assim?

Guga Stocco

As diferenças e os conflitos entre as gerações

Para a geração Z, os Millennials têm comportamento “cringe”, palavra que virou gíria na internet e significa “vergonha alheia”. Esse é apenas um exemplo de muitos conflitos geracionais que reforçam o desafio de decifrarmos os comportamentos das diferentes gerações.

Gosto muito da geração Z serem os nativos digitais e tem um conceito que eu acho que diferencia eles da geração Y, que eles têm um hábito que é online e offline. Por exemplo, se alguém da geração Z compra uma faca, e obviamente ele vai comprar essa faca online, uma hora essa faca pode ficar sem fio e ela precisar ser amolada. Ele vai na Internet, vai buscar onde se afia uma faca e vai no mundo offline afiar essa faca, ou seja, ele é mais realista. Já para a geração Y, a faca perde o fio, aí ele iria na Internet, iria reclamar, entrar em um site de reclamação e imediatamente iria comprar uma outra faca, ou seja, não amolaria aquela faca, jogaria aquela faca fora.

Flavia da Justa – Diretora de Marketing da OI (2019)

Quer entender melhor sobre todos estes conflitos de gerações? Então, confira o episódio completo logo abaixo.