Ministério do Turismo, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Lei Estadual de Incentivo à Cultura, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura apresentam:
PT | EN
Coronavírus. Saiba como proteger você e sua família. Acesse saude.gov.br/coronavirus

Cidades Inteligentes: qualidade de vida

Já ouviu falar em Cidades Inteligentes? Como a tecnologia em uma visão sistêmica e multisetorial pode beneficiar o bem-estar e qualidade de vida da população de uma cidade? O episódio “Cidades Inteligentes e Sociedade 5.0”, da série Pretérito do Futuro, explica o conceito das “smart cities” e como ele pode ser aplicado em nossas vidas.

Conheça mais sobre a série Pretérito do Futuro.


Como ter qualidade de vida em cidades que estão cada vez mais cheias?

Eu acredito que do ponto de vista do urbanismo, estamos no começo de uma ciência urbanística mais perfeita que vai acontecer a partir do momento que nós conseguirmos trazer para dentro do planejamento urbano aspectos de dados, o famoso Big Data, fazendo com que os processos históricos e culturais de formação da cidade possam incorporar essa dimensão matemática de dados e de informação.

Washington Fajardo – Arquiteto, Urbanista, Desenho Brasileira Agência Urbana (2018)

Imagem Cidades Inteligentes | Rio2C


Como a tecnologia pode ajudar as cidades?

Temos vários exemplos como as próprias Big Techs. O Google, por exemplo, com o Sidewalk Labs, onde está ensaiando fazer uma smart city em Toronto na qual a ideia principal dessa smart city é conseguir conectar tudo. Então, imagina que tem tudo conectado, tem Internet de alta velocidade, todos os terminais conectados e câmeras de segurança, tudo isso funcionando de uma maneira comum. E essas cidades também estão olhando para a poluição e estão controlando o tráfego.

Guga Stocco – Empresário e Investidor


O papel das pessoas nas “smart cities”


Não é somente a tecnologia que tem papel importante no conceito de cidades inteligentes, mas também as pessoas.

Você pode trazer um conhecimento coletivo, que alinhado à tecnologia, cria uma experiência muito melhor para todo mundo. Então, por exemplo, imagina que tem um bairro conectado, tem 5G, tem câmeras e uma série de sensores. Eu posso criar um aplicativo para as pessoas que moram naquele bairro, e no aplicativo tem um feed com tudo o que está acontecendo no bairro. Então, por exemplo, você está andando na rua, vê um buraco e tira uma foto. As pessoas vão comentar sobre aquele buraco, e isso já pode estar conectado à um órgão público para tomar uma ação.

Guga Stocco – Empresário e Investidor


Mas já existem cidades inteligentes? Qual o custo para se viver em uma “smart city”? Confira o episódio na íntegra!