Ministério da Cidadania, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro,
Prefeitura do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS apresentam:

Invisible Heroes, uma coprodução Chile/Finlândia no Rio2C

A primeira co-produção do Chile com a Finlândia foi tema de um painel da Conferência do Rio2c 2019. A série "Invisible Heroes", ainda inédita no Brasil, foi produzida pela Kaiho Republic (Finlândia) e Parox (Chile) para o canal público nórdico YLE e o chileno Chilevisión. Co-escrita pelas roteiristas Tarja Kylma e Manuela Infante Guell, a produção é um thriller político ambientado durante o golpe militar de 1973 no Chile. Inspirado em fatos reais, a trama segue Tapani Brotherus, um novato diplomata finlandês que esconde refugiados políticos em sua residência quando os tanques do general Augusto Pinochet aparecem nas ruas de Santiago. 

Para falar sobre a série, o Rio2C reuniu a roteirista Tarja Kylmä, Leonora Gonzáles, Produtora Executiva da Parox; e Liisa Penttilä-Asikainen, Produtora Executiva da Kaiho. O moderador Jarmo Lampela, Head de Drama, da YLE, destacou a questão política da história. A instrução da Finlândia para seu diplomata era ser neutro e não fazer absolutamente nada a respeito do golpe. Mesmo assim, ele decidiu dar asilo e salvou cerca de dois mil cidadãos chilenos, permitindo que imigrassem para a Europa fugindo do Regime Militar. O painel abordou as questões criativas e executivas, e os desafios de se co-produzir uma história falada em finlandês, espanhol e inglês e filmada em diferentes locais no Chile e em Helsinque.

"Esta é  uma ótima época para ser roteirista, as pessoas gostam de boas histórias. Eu faço mentoria para outros roteiristas e sempre questiono para meus alunos: por que se o público vai se importar por esses personagens? E em Invisible Heroes temos personagens muito ambiciosos e que tinha uma missão. Eu nunca tinha ido ao Chile, não falo espanhol. Então fui para lá, conheci a Manoela e funcionou. Nós realmente amamos trabalhar juntas. Foram duas semanas intensas de trabalho no roteiro. Foi muito importante estar no país, conhecê-la e ouvir as histórias que tinha para contar", explicou Tarja. 

Para a produtora Leonora González foi uma surpresa quando a equipe descobriu tantas semelhanças entre os dois países, apesar de diferenças como clima, horários e distância tenham sido fatores que dificultaram a produção da série. Durante o painel ainda foram exibidos diversos trechos da série, assim como um depoimento em vídeo da roteirista Manuela Infante, que não pôde comparecer ao evento.

 

Ministério da Cidadania, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro,
Prefeitura do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS apresentam:

patrocinadores

fique conectado